As Cartas ao Vaticano


Quem não tem competência, não se estabeleça - diz o ditado!


Não aguentou a pressão das cartas de Maria Santíssima e, na 50ª carta, capitulou!!
Não se faz Papa, esta representação é prioridade do Espírito, seja ele iníquo ou não, santo ou demônio, sempre deve ser uma preferência do Espírito.
Vamos esperar Jesus até 2036, daqui para frente, de olho no Vaticano. Estamos na reta final e muita coisa pode acontecer, de olho nas decisões de Maria Santíssima. Ela está no comando e não serão papas a barrar o retorno do Mestre.
Para quem não sabe, Raymundo Lopes, instruído por Nossa Senhora, tem mandado mensalmente, a partir de janeiro de 2009, carta ao Vaticano alertando o Papa para a necessidade premente de anunciar o retorno de Jesus. Até fevereiro de 2013, foram enviadas 50 cartas, e uma das maiores alegações de Maria Santíssima é que o que disse especialmente nas três aparições – Rue du Bac (Catarina Labouré), Lourdes (Bernadete) e Fátima (Irmã Lúcia) – tinha por principal objetivo conscientizar a humanidade de que a promessa de Jesus que retornaria foi deliberadamente escondida pelas autoridades eclesiásticas, levando o mundo a acreditar que Nossa Senhora é uma pessoa submissa a mentiras.
Já foram enviadas 50 cartas de um total de 84, e como não poderia deixar de ser, a verdade prevaleceu.
Bento XVI chamou Raymundo Lopes para uma conversa, em agosto de 2010, e deixou que o vidente conhecesse os escritos da Irmã Lúcia.
Soubemos, então, ser ele (Raymundo – Daniel) o personagem da “Terceira parte do segredo” de Fátima e que o coração da Toda Santa venceria ao afastar da Terra o perigo do choque com o cometa Apophis, que se avizinhará do nosso planeta em 2036; e junto com esse anúncio teremos enfim contato com Jesus, cumprindo assim Sua promessa de que retornaria.
A Bela Senhora falou na Rue du Bac, Lourdes, Fátima e em muitas outras sobre esse anúncio – não acreditaram e forjaram histórias em benefício do racional.
O retorno de Jesus se concretizará pela capacidade plena do pensamento e “não através de meios comuns”, como imaginam aqueles que defendem a lógica dominante; e isto inclui a vida da Igreja humana fundada por Pedro.
Estamos, então, no limiar da Igreja divina liderada por João (evangelista)?
Bento XVI permitiu a queima desses escritos (da pastora Lúcia), como se isso bastasse para estabelecer o rumo dos acontecimentos, conforme é o desejo da razão tão bem representada pelo ‘príncipe deste mundo’.
“Onde estiver o cadáver, aí se reunirão os abutres”, são alegações de Yeshua (Lc 17,37); e a cena do enterro de João Paulo II foi um divisor de águas.
“Quem tem ouvidos, ouça!!”
Existe uma orquestra e sua maestrina fala no coração de Nova Lima, em Minas Gerais.
“O Brasil está sob a minha proteção especial” – vamos acreditar pelo menos nisto? 
    

Missionários do Coração Imaculado